Tag Archives: Análise fundamentalista

O valor justo é o mesmo para as ações ON e PN?

O investidor já deve ter observado em relatórios de avaliação de empresas a indicação do preço-alvo ou preço justo da ação. Em regra, esse preço justo vale tanto para as ações ordinárias (ON) quanto para as preferenciais (PN). Contudo existem algumas situações nas quais o preço justo das ordinárias e o das preferenciais podem ser distintos. Quais são esses casos?

Continuar lendo

Setores que se beneficiam na atual cena econômica

Escolher segmentos econômicos que devam apresentar bom desempenho na conturbada conjuntura – PIB em queda, inflação alta, juros elevados, rebaixamento do risco soberano, déficit fiscal, crise política – parece uma tarefa hercúlea. Um analista irreverente poderia indicar escritórios de advocacia criminal, pois esses tendem a se beneficiar dos processos decorrentes da Operação Lava-Jato. Mas essa opção serviria apenas aos bacharéis em direito com inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Brincadeiras à parte, a análise fundamentalista apresenta instrumentos que podem nos ajudar a selecionar os setores e, por consequência, as ações de empresas que melhor devem navegar no cenário recessivo atual.

Continuar lendo

Devo investir em empresas que geram prejuízos?

Empresas são criadas para gerar riqueza, não somente para os acionistas, mas também para os trabalhadores, fornecedores e para o Estado via tributos. O lucro é o objetivo principal de qualquer empresa. Mas nem sempre as companhias alcançam suas metas, especialmente em épocas de crise como a atual. Um leitor do blog “O Estrategista” fez uma pergunta provocativa: “por que muitos analistas recomendam empresas que simplesmente não dão lucro?”

Continuar lendo

As ações cíclicas e a análise fundamentalista

Existem empresas que atuam em setores no qual o ambiente macroeconômico exerce forte influência sobre a atividade operacional. São as chamadas companhias cíclicas, como as dos segmentos de commodities e imobiliário. Por outro lado, outros setores econômicos apresentam maior resiliência a variáveis como a inflação e o nível da atividade econômica. O melhor exemplo é o do setor elétrico cujas empresas possuem contratos nos quais as receitas são indexadas pela inflação e o nível do faturamento não se altera drasticamente se a economia passa por um momento de recessão ou de prosperidade.

Apesar da mudança na metodologia de cálculo do Ibovespa, a bolsa brasileira ainda apresenta muitas empresas cíclicas, como Vale, Petrobras, Fibria e as ações das incorporadoras imobiliárias. Essa composição torna a análise da bolsa brasileira desafiadora. É o que vemos agora no setor imobiliário. Após forte queda no preço das ações e múltiplos convidativos, é hora de se posicionar em ações do segmento?

Continuar lendo