Os riscos dos investimentos na era da globalização

Apesar do ressurgimento de ideias nacionalistas mundo afora, a globalização segue a passos firmes. Ela não mais depende de políticos. O avanço da tecnologia e da comunicação os reduziu a coadjuvantes. Talvez esteja exagerando. Eles ainda podem tentar impedir a livre circulação de pessoas como Donald Trump tem feito. Tirando isso, a globalização de capitais parece irreversível. Pessoas e companhias podem direcionar suas poupanças para o exterior. Gestores de recursos e empresas locais podem batalhar pelo dinheiro de estrangeiros. Mas, como todo investimento, apresenta riscos. Mais ainda na inversão entre fronteiras, pois cheia de particularidades:

  • Risco cambial – o primeiro cuidado é em relação ao câmbio. Ao decidir-se por uma aplicação no exterior não basta que os ativos sejam bem escolhidos. Uma desvalorização da moeda do país aonde se encontra o investimento pode corroer todo o ganho gerado pela apreciação do ativo. Podemos dizer que ao aplicar em outro país acontecem simultaneamente duas aplicações: (i) no ativo e (ii) na moeda do país sede do investimento. Se casar com uma esposa (ou marido) já é complexo, imagine com duas (ou dois)?
  • Comparação entre ativos de países distintos – uma pessoa pode decidir aplicar no mercado acionário de outro país, assim como uma companhia pode adquirir uma empresa sediada em outra jurisdição. Quais critérios são usados para tomar essa decisão? As razões podem ser várias como a diversificação de risco ou a pouca atratividade das aplicações no país de origem. Esse investidor deve estar considerando esses ativos no exterior baratos. Por qual métrica? Pode se elaborar o fluxo de caixa descontado da empresa alvo ou podem ser analisados os múltiplos dessa empresa como o P/L (preço por lucro) ou o EV/Ebitda. Muitos fazem a comparação direta entre os múltiplos da companhia estrangeira e os das empresas locais. Mas isso não basta. Um país pode ser muito mais instável politicamente do que o outro. Mesmo possuindo um múltiplo mais baixo, o desconto pode não refletir o risco país. Uma companhia possui seus próprios riscos, mas também herda os riscos do seu país sede. Uma alternativa para neutralizar o risco país é adicionar ao múltiplo a diferença entre o CDS (“credit default swap”) do país a ser investido e o do país de origem do investidor. Pega-se então o múltiplo da companhia e o inverte (1/múltiplo). Chega-se então a uma taxa. A ela é acrescido a diferença entre os CDS. Por fim, retorna-se ao parâmetro de múltiplo ao se dividir um por essa taxa. Temos então o múltiplo ajustado pelo risco país que agora sim pode ser comparado com firmas do país sede do investidor. Fiz um post explicando em detalhes essa técnica: “Comparando o múltiplo P/L entre países“.
  • Questões tributárias – no Brasil, uma pessoa que aplica em um fundo de investimento não precisa se preocupar com o recolhimento do imposto de renda. O administrador do fundo fará o pagamento do tributo e informará no fim do ano a renda líquida que deverá ser colocada na declaração de ajuste anual do imposto de renda em “rendimentos tributados exclusivamente na fonte”. O mesmo vale para outras aplicações como CDBs e títulos do Tesouro Direto. Contudo, caso faça aplicações direto na bolsa de valores, o investidor precisará fazer o pagamento. Se aplicar no exterior, deverá calcular o imposto a ser pago no Brasil, descontando o retido no exterior caso haja acordo de reciprocidade fiscal com o país do investimento. Caso Brasil não possua acordo com esse país, o aplicador fará o pagamento em duplicidade.

Essa questão também afeta estrangeiros que escolhem o Brasil como opção de investimento. Recentemente, a Receita Federal considerou a Irlanda como país com tributação favorecida e com regimes fiscais privilegiados ou, em outras palavras, um “paraíso fiscal”. Assim, desde setembro, investidores com sede na Irlanda pagam imposto de renda sobre a movimentação sobre sua carteira de ações no Brasil. A Irlanda é o segundo país da Europa em UCITs, espécies de fundos destinados ao investidor de varejo, ficando atrás apenas de Luxemburgo. Essa taxação pode afastar investidores estrangeiros do país, justamente em um momento no qual o Brasil volta ao radar após a conturbada política econômica dos últimos anos.

  • Dupla circularidade – as empresas pátrias podem buscar recursos vendendo seus títulos (ações, bonds, etc) no próprio país ou em outras jurisdições. Assim, é comum existirem títulos negociados nos EUA chamados ADRs que têm como lastro ações da companhia brasileira. O caso Petrobras é exemplar de como as aplicações trans fronteiras possuem especificidades. A corrupção que assolou a estatal fez com que detentores de ADRs ingressassem nas cortes americanas demandando indenização. Assim, o investidor que comprou ações na bolsa brasileira pode ter duas perdas, daí o nome de “dupla circularidade”: a primeira advinda da queda do preço da ação derivada do caso de corrupção e a segunda caso os investidores de ADRs sejam vitoriosos. A indenização caberá à Petrobras e deve provocar nova queda do preço da ação. A legislação brasileira permite que a companhia ou os acionistas peçam indenização por perdas geradas pelo controlador ou pelos administradores. Contudo, ao contrário dos Estados Unidos, a reparação vai para a empresa.

O tema é extenso e poderiam ser citados diversos outros casos, mas o espaço acabou.

Termos de Uso

As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

2 Comentários

  1. André , é possível e viável uma pessoa física fazer aplicações no exterior, digamos, negociando ações diretamente na Bolsa de NY? Com a tecnologia atual deveria permitir isso, bem como a transferência de recursos, mas andei pesquisando e tanto as corretoras quantos os bancos dizem nada saber sobre esse assunto…

    1. Oi Miguel

      Existe a possibilidade de investir diretamente em cias estrangeiras comprando ADRs na BMF&Bovespa.

      Para pessoas físcas é necessário ter um patrimônio em investimentos de R$ 1 milhão.

      Existe ainda a possibilidade de investir em fundos locais que alocam parte dos recursos em ativos estrangeiros.

      Segue o link da BMF&Bovespa que explica os BDRs: http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/listados-a-vista-e-derivativos/renda-variavel/brazilian-depositary-receipts-bdrs-patrocinados-niveis-i-ii-e-iii.htm

      Abraços

      André

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.