Os elementos-chave da poupança para a aposentadoria

Mudanças estruturais da economia brasileira nos últimos 20 anos levaram alguns brasileiros (ainda poucos é verdade) a se preocuparem com a criação de uma poupança ao longo da vida útil para suportar os gastos na aposentadoria. A estabilidade monetária permitiu que as pessoas passassem a programar seus orçamentos, tarefa impossível no período inflacionário. A redução de empregos em estatais ou antigas estatais com seus robustos fundos de pensão também contribuíram para o tema aposentadoria virar destaque. Mas o assunto ainda é um mistério para muitas pessoas. A obtenção de uma renda futura para cobrir os gastos para quando ficarmos inativos depende apenas de quatro variáveis: (i) a contribuição periódica, (ii) o tempo de contribuição, (iii) os juros reais e (iv) o tempo de usufruto da poupança ou, sendo mais explícito, o período entre o início da aposentadoria e a morte. As duas primeiras são decisão do investidor, a terceira depende das condições macroeconômicas e a quarta, bem essa, embora possamos ajudar para aumentar a longevidade, está nas mãos divinas. Entender essas variáveis é fundamental para um bom planejamento financeiro. Ao fim do texto, mostro qual é a contribuição mensal necessária para se obter uma renda complementar de R$ 5 mil entre os 60 e os 85 anos?

A especialidade do blog O Estrategista é o mercado acionário, mas existem alguns posts sobre educação financeira. Algumas pessoas ainda não se convenceram da necessidade de poupar visando o longo prazo. Tratei dessa questão no post “A falsa oposição entre viver ou juntar dinheiro”, de 15 de outubro de 2012.

Outro texto com bastante repercussão foi “Como calcular sua independência financeira?”, de 20 março de 2012, ou, em outras palavras, quanto temos que ter depositado no banco para pararmos de trabalhar. Embora a resposta pareça difícil, o cálculo engloba apenas duas variáveis: os juros reais e os gastos mensais. O primeiro está fora de sua alçada, leitor, mas o padrão de vida que você leva definirá se sua independência financeira está mais próxima ou ainda distante.

Para retornar ao tema, utilizei a simulação de Fabio Giambiagi de seu artigo no Valor Econômico de 13 de agosto “Previdência (I): cálculo da contribuição”. No exercício, Giambiagi calcula qual a contribuição mensal é necessária para se obter uma renda complementar de R$ 5 mil durante 25 anos a partir dos 60 anos, variando o início da contribuição (20, 30 , 40 ou 50 anos) e os juros reais anuais (0%, 1%, 2%, 3%, 4%, 5% ou 6%).

Contribuicao Giambiagi

Obviamente, quanto mais cedo se inicia a poupança menor a contribuição mensal requerida. Mas gostaria de chamar a atenção para dois pontos: a renda complementar e os juros reais.

A renda desejada dependerá do padrão de vida. Quanto maiores os gastos, maior o esforço para alcançar a renda almejada. Uma maior segurança financeira pode ser obtida reduzindo seus dispêndios. Essa variável é decisão única e exclusiva do leitor. Não adianta reclamar do governo ou de que a vida não é justa.

Mas a outra variável é mais complexa. Quanto maiores os juros reais obtidos, menor a contribuição necessária e vice versa. Atualmente, os juros nominais da economia tendo como referência a taxa Selic é de 11% a.a. Imagine que você consiga obter uma remuneração igual a taxa Selic em seus investimentos e que mantenha-os por prazo superior a dois anos, pagando 15% de imposto de renda. Sua remuneração líquida de impostos cai para 9,35% a.a. A inflação medida pelo IPCA se encontra ao redor de 6,5%. Logo, os juros reais seriam de 2,68% ((1,0935/1,065  – 1) x 100). Mas essa conta pode estar errada. Por quê? Sua inflação, leitor, deve ser superior ao IPCA. Pense nos seus gastos recentes com colégio dos filhos, alimentação fora do lar, plano de saúde … Logo os juros reais de seus investimentos podem ser ainda menores ou mesmo negativos (se sua inflação pessoal superar os juros reais de 9,35%. Acredite, pode ser bem possível). Por isso, a decisão de poupar deve começar o mais cedo possível, as contribuições devem ser significativas e o controle dos custos deve ser uma obsessão. Isso contribuirá para você chegar ao fim da vida vivendo-a e não se amaldiçoando por ainda estar vivo.

Termos de Uso

As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

7 Comentários

  1. Olá,
    Gostei muito do texto, principalmente do final “o controle dos custos deve ser uma obsessão”. Fiquei apenas com uma dúvida no cálculo dos juros reais, não seria somente subtrair o 9,35% a.a – o 6,5%a.a. (IPCA)?
    Abraço.

  2. Trabalhei em Banco por muitos anos, e sentia que vários clientes achavam que, por estarem numa situação financeira privilegiada não precisavam fazer uma previdência privada. Mas sempre insisti que ninguém pode prever o futuro e a vida é cheia de altos e baixos, e a previdência é mais uma segurança para o futuro. Cheguei a presenciar clientes que não fizeram sua previdência por serem empresários de sucesso, mas ao se aposentar pelo INSS percebiam que teriam que trabalhar eternamente para manter o padrão de vida. Outros, mais precavidos, fizeram sua previdência, e no final do plano, por não terem necessidade daquela renda a mais, optaram por usar o dinheiro para outro negócio, viagens e mesmo fazendo um aporte em previdência dos filhos.
    Enfim, o melhor é sempre iniciar a sua o quanto antes, e no futuro decidir o que fazer com aquela reserva, e não deixar de fazer sua reserva e depois se arrepender.

  3. Ou seja, para conseguir poupar visando ganhar essa quantia no futuro, a pessoa tem que ter um salário atual de no mínimo 6 mil ( provavelmente mais!), caso queira sustentar dignamente uma família, ainda mais vivendo em São Paulo. Se o coitado ainda por cima tiver o desejo de levar os filhos ao teatro, ao cinema, pagar um colégio decente e um plano de saúde básico, viajar esporadicamente e ter um carro, vai ter que se contentar só com o INSS no futuro. E ainda há certos políticos que falam que o salário mínimo aumentou “demais” nos últimos anos. Me diga como um trabalhador que não ganha nem 1500 reais por mês, necessitando dar uma vida minimamente confortável à sua família, tem condições de poupar para aposentadoria! PS: esta não é uma crítica ao articulista, que escreveu um ótimo texto, mas sim ao salário mínimo indecente praticado neste país!

  4. Aquele que realmente pensa na sua vida, em ter tranquilidade, paz e harmonia. Não vai fazer as besteiras de muitos. Não tendo filhos, não gerando problemas, será o melhor meio de economizar, seu tempo, paciencia e obtendo o suficiente pra fazer fortuna, pois não tera perdas que influenciam na capacidade de gerar renda.

  5. Parabéns, André! Análise perfeita. Minha única preocupação é fazer este conhecimento alcançar a cabecinha do brasileiro… E agora? Vivemos no país em que tem gente que revende um carro pelo mesmo preço que comprou 12 meses antes e sai se gabando:’Não perdi nada!”. Vamos montar uma ONG de Educação Financeira? Um abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.