O mercado de ações brasileiro, o patinho feio

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, negocia historicamente com desconto para seus pares internacionais. Não é somente a atual política econômica que explica esse fenômeno. Há diversas causas.

Nos últimos três anos, o múltiplo P/L (preço por lucro) do Ibovespa tem negociado com grande desconto para os indicadores de outras bolsas no mundo como o mexicano IPC, o espanhol Ibex 35, o americano S&P 500 e o alemão DAX. No período, o IPC negociou com prêmio médio de 53,5% sobre o Ibovespa, enquanto o Ibex 35, o S&P 500 e o DAX alemão registraram ágios médios de 20,1%, 30,9% e 11,6%, respectivamente. Apesar da crise que ronda o mercado europeu, apenas em poucos momentos o Ibex 35 e o DAX negociaram com múltiplos inferiores ao da bolsa brasileira. Isso ocorreu principalmente em 2012 com o Ibex 35, quando havia dúvidas sobre a higidez do sistema bancário europeu. No cálculo, considerou-se o lucro esperado para os próximos 12 meses.

Atualmente esses prêmios se reduziram. O índice mexicano tem ágio de 24,9% sobre o Ibovespa, enquanto o espanhol, o americano e o alemão negociam com prêmios de 16,5%, 19,7% e 8,9%, respectivamente. Mas essa convergência dos múltiplos deve-se a um efeito negativo: a queda esperada dos lucros das empresas brasileiras em decorrência da estagnação da economia. Ironicamente a péssima gestão econômica do governo Dilma Rousseff foi responsável por reduzir a diferença de múltiplos entre a nossa bolsa e as dos pares internacionais.

Chassi

Contudo, não seria justo creditar o desconto pelo qual negocia nossa bolsa somente ao atual governo. Se observarmos os últimos dez anos, o Ibovespa somente apresentou prêmio sobre todos os índices citados em novembro de 2007. Era uma época na qual se acreditava no crescimento sustentável da economia brasileira. Com isso, os investidores aceitavam pagar um múltiplo mais elevado, pois o incremento dos lucros futuros faria o indicador desinflar ao longo do tempo.

Mas, infelizmente, o cenário otimista de 2007 não se confirmou. Voltamos a ser classificados como uma economia de “stop and go” [expressão usada para designar crescimento pouco sustentável da economia que rapidamente desacelera], característica que se estende desde a década de 80. Esta é a primeira razão para o desconto do nosso índice acionário em relação aos dos demais países.

A característica cíclica de nossa economia derivada do peso do segmento de commodities (mineração, petróleo, produtos agrícolas) e bancário no PIB ajuda a explicar o padrão “stop and go”. Em recessões, a queda da receita desses setores tende a ser abrupta. Já em momentos prósperos, o faturamento se expande rapidamente.

A fim de superar esse dilema, Jim O’Neill, ex-executivo da Goldman Sachs e criador do acrônimo Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), em recente entrevista ao jornal Valor, reiterou a necessidade de fomentar o empreendedorismo no Brasil de forma a diversificar nossas atividades econômicas.

O Ibovespa acentua ainda mais o problema, pois é muito concentrado em ações de empresas cíclicas: bancos, Petrobras, Vale, siderúrgicas, empresas de papel e celulose. Apesar das alterações metodológicas recentes, essa característica se manteve.

Fomentar a vinda de empresas para a bolsa é fundamental para mitigar essa situação. O boom ocorrido após 2004 trouxe importantes setores para a bolsa como o de educação, saúde e imobiliário, mas ainda insuficiente para resolver a questão.

A elevada carga tributária e o nível de juros prejudicam o mercado. Isso é fato. Mas falta aos agentes de mercado (bolsa, agentes reguladores, bancos de investimento, associação de analistas e investidores) atuar junto à classe política. Recentemente, Cid Gomes, ex-ministro da Educação, perguntado sobre a queda das ações das empresas do setor de educação em decorrência de mudanças no Fies disse: “eu não entendo muito de bolsa, não”. Cabe aos operadores de mercado explicar não só ao político cearense, mas a todos os parlamentares a importância do mercado de capitais para a economia.

Outro ponto que ajudaria a fomentar a vinda de empresas é reduzir o excesso de regulação. Em bate papo recente, um importante fornecedor de serviços às empresas abertas mostrou todo o seu desânimo: “O Brasil quer ter a melhor governança, mas, com isso, temos um país comparado à Mongólia considerando-se o número de empresas abertas”. E concluiu: “E não tem funcionado. Apesar dos esforços, permitiu que a OGX, uma empresa pré-operacional, tivesse número elevado de pessoas físicas em sua base acionária”.

Temas como educação e saúde são recorrentes quando se fala das mazelas nacionais. O desconhecido mercado de capitais também faz parte da lista, cujo Ibovespa é apenas o reflexo do descaso como o assunto é tratado.

Termos de Uso
As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

11 Comentários

  1. A desinformação e a popularidade do esquerdismo pinta o ambiente
    do mercado de capitais como antro de vilões. Não é pop defender essa área.
    Mais uma mazela de governar por governar e não por melhorar.

  2. Acredito que o texto do gráfico seja: “Prêmio/ágio do P/L das bolsas mundiais…”
    Seria interessante plotar nesse mesmo gráfico a curva do CDS do Brasil
    e verificar que a correlação dele com os ágios deve ser alta, já que quanto
    maior o deságio do Ibovespa em relação às outras bolsas, maior o reflexo
    da alta taxa de risco país considerada nas principais ações listadas,
    e, consequentemente, no CDS tupiniquim.

    1. Oi Marcel
      O nível do PL tem relação com o risco país. Contudo mesmo em momentos nos quais o Brasil teve redução do risco país, PL continuava inferior.

      E apesar do risco país inferior do Mexico, o IPC negocia com prêmio para os indices dos EUA e Alemanha.

      Abraço

      André

  3. André, o mais correto não seria analisar tudo em dólar,
    uma vez que os maiores investidores são estrangeiros? Neste momento,
    por exemplo, a bolsa brasileira (assim como todos os ativos no brasil)
    está bem barata em USD.

    1. O múltiplo é neutro em termos de unidade monetária, pois o numerador
      e o denominador estão na mesma moeda. E é melhor porque leva em conta
      o nível de lucro das empresas que compõem o índice.
      Mas já fiz análises da bolsa em dólar em outras ocasiões.
      Abraço

  4. André,
    1 / 14,73 = 6,8% aa
    Se pegar um título do Tesouro Direto que paga IPCA + 6,5% , qual seria
    a vantagem de comprar Ibovespa nesse nível?
    Acho que o retorno não compensa o risco. Que acha?

    1. Fabio
      Se o investidor já possui uma reserva robusta, acredito que ele deva manter uma posição em ações mesmo que pequena como diversão de risco.
      Mas boa parte dos recursos deve surfar essa Selic elevada.
      Abraço
      Andre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.