O lucro, o Ebitda, o patrimônio e seus múltiplos

Os múltiplos são uma das métricas mais usadas na avaliação de ações pela análise fundamentalista. Dentre os múltiplos, os relacionado ao lucro (o P/L – preço da ação dividido pelo lucro por ação), ao Ebitda (o FV/Ebitda – valor da firma dividido pelo Ebitda) e ao patrimônio líquido (o P/VPA – cotação dividida pelo valor patrimonial por ação) são os mais comuns. Quais as vantagens e as desvantagens desses indicadores? Quando eles devem ser utilizados? Qual o mais importante?

O múltiplo de maior importância é o P/L. A razão é simples. O resultado final apurado, lucro ou prejuízo, será apropriado pelos acionistas. Os dividendos são calculados geralmente sobre o lucro líquido (1). Por isso, o P/L é considerado um múltiplo do acionista. Contudo o múltiplo P/L é de nenhuma serventia quando a empresa gera prejuízo ou gera um lucro pequeno comparado ao valor de mercado da companhia.

Devido a essa limitação e ao fato de o lucro ser mais volátil, a partir dos anos 90, difundiu-se o uso do Ebitda (earnings before interest, taxes, depreciation and amortization). Em português, é chamado de Lajida (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização). O Ebitda tenta representar de forma simplificada a geração de caixa operacional da empresa. O múltiplo é o FV/Ebitda, onde FV é o valor da firma calculado somando-se o valor de mercado da empresa (cotação multiplicado pelo total de ações) e a dívida líquida (dívida onerosa menos o caixa). Esse é um múltiplo da compnhia e não apenas do acionista, pois o Ebitda servirá para pagar os juros e o principal dos empréstimos concedidos pelos credores e os dividendos dos sócios. Contudo, olhar apenas esse múltiplo pode ser ilusório. Imagine que a empresa apresente um baixo múltiplo FV/Ebitda, mas possua um ambicioso programa de investimentos. Boa parte do Ebitda está sendo consumido pelos investimentos e a geração de caixa pode ser insuficiente, fazendo com que o endividamento se eleve no futuro.

Por fim, temos o P/VPA. Embora no passado tenha sido muito utilizado, o conceituado investidor Benjamin Graham o menciona diversas vezes ao longo de seus livros, esse múltiplo vem caindo em desuso. O patrimônio líquido é uma figura contábil, resultado da diminuição do ativo pelo passivo. Contudo, em regra, o ativo é contabilizado pelo valor de custo. A inflação, a dinâmica da economia, a redução do ciclo do produto e as seguidas modificações tecnológicas fragilizam a figura do patrimônio líquido como representante do ativo líquido. As novas regras contábeis emanadas pelo IFRS tentam superar essas limitações fazendo com que os gestores reavaliem periodicamente seus ativos a valor de mercado. Contudo, apesar disso, o patrimônio líquido não é tão preciso. Por isso, o múltiplo P/VPA continua sendo utilizado apenas em setores onde os ativos possam ser calculados periodicamente a valor de mercado. É o caso dos bancos nos quais seus ativos (títulos públicos e privados), em regra, possuem um mercado líquido de compra e venda. Mas mesmo no setor bancário, um baixo múltiplo P/VPA não significa que a ação está barata. É necessário observar também o retorno sobre o patrimônio líquido (RPL). Quanto maior o RPL, maior tende a ser o múltiplo e vice versa.

(1)    Há casos não tão usuais nos quais os dividendos distribuídos avançam sobre os lucros passados e sobre as reservas

Temos de Uso

As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

4 Comentários

  1. André,

    Você tem conhecimento de algum estudo que faça uma análise das correlações entre as variáveis fundamentalistas (e que envolva o valor de mercado, claro)?
    As variáveis que mais se correlacionam (até onde eu vi, em planilha) são o P/VPA e o ROE. Fico até surpreso em ler que o P/VPA vem caindo em desuso – apesar de grafista, sempre dou uma olhada geral pra sentir o nível “inflacionário” da bolsa. Tá certo que ambas as variáveis são funções do patrimônio líquido mas mesmo assim a correlação (peguemos a matriz do Ibovespa) não ultrapassa 0,7, ou seja, o preço da ação não é função tão direta do lucro líquido.

    1. Oi Lauro

      A correlação entre P/VPA e ROE é maior em ações do segmento financeiro em decorrência da maior liquidez dos ativos e passivos nessa indústria.

      Quanto a correlação do desempenho das ações e o lucro depende de alguns fatores. Para ações cíclicas, cujo a dinâmica macroeconômica é mais importante, essa relação se reduz.

      Dê uma olhada nesse post que escrevi há algum tempo “O que move as ações da bolsa”: https://www.estrategista.net/o-que-move-as-acoes-da-bolsa/

      Abraço

      André Rocha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.