O esquizofrênico setor de telecomunicações

Imagine um objeto de desejo, que representa status social e que se tornou vital nos dias atuais. O carro, diriam alguns. Não, pois esse vem sendo questionado em um mundo que preza a sustentabilidade e a mobilidade urbana. Falo do celular. O glamour do maço de cigarros nos bolsos e bolsas, hoje é personificado no aparelho móvel. O estoque de celulares já supera a população do país.

Contudo, as operadoras não estão comemorando. Estranho, né? A Oi recorreu recentemente à recuperação judicial com dívidas superiores a R$ 60 bilhões, a maior da história brasileira. A TIM patina. Essas empresas não conseguem aproveitar o cenário benéfico e, como reflexo, suas ações perdem espaço na bolsa brasileira. Por que isso ocorre?

Como analista, acompanhei o setor de telecomunicação entre 1996, portanto antes da privatização do sistema Telebras, e 2007. O peso do segmento no Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, era de cerca de 50%. Em 19 de julho, essa participação reduziu-se para 3% representado por Telefonica Brasil (VIVT4) com 2,345% e Tim Participações (TIMP3) com 0,663%.

As razões são várias. Faz-se necessário voltar a meados da década de 90. Na privatização, os ativos da Telebras foram cindidos em telefonia fixa e móvel e distribuídos em 12 holdings regionais: três de telefonia fixa, oito de telefonia móvel e uma de dados e longa distância. Além disso, o governo fomentou a criação de empresas espelhos para competir nos territórios de cada uma das holdings. Esse modelo foi subvertido pelo avanço tecnológico. As principais deficiências do modelo foram:

  • Diversidade regional: a divisão por regiões não faz sentido tendo em vista a magnitude dos investimentos constantes impulsionados pela rápida obsolescência das tecnologias. Em um período de dez anos, a telefonia móvel foi da transmissão analógica ao 4G, por exemplo. Com isso, escala é fundamental para diluir o capital aplicado.
  • Separação tecnológica: o tempo mostrou que a tecnologia era convergente. Uma empresa deve oferecer vários serviços: fixo, dados, móvel e TV por assinatura.
  • O aparecimento de tecnologias concorrentes: novos serviços surgiram retirando tráfego das operadoras como o Skype e o WhatsApp tanto do serviço de voz como o de dados.
  • O surgimento das redes sociais como Facebook e LinkedIn, bem como serviços de streaming como Netflix e Spotify, que sobrecarregam a rede das operadoras, gerando a necessidade de mais investimentos.

Além desses problemas, os acionistas minoritários ficaram sempre à mercê de eventos societários. A última operação da Oi com a Portugal Telecom é um exemplo.

A expansão geográfica e a convergência de serviços foram parcialmente superadas por intermédio da consolidação. O grupo Telemar incorporou a Brasil Telecom, dando origem à Oi e iniciou do zero seu serviço móvel. A Telefonica juntou suas operações fixas em São Paulo com a operadora móvel Vivo que, por sua vez, já havia adquirido a Telemig Celular e a Centro Oeste Celular. O grupo comprou ainda a empresa de TV a cabo TVA e a empresa de telefonia fixa e de dados GVT.

A mexicana America Movil consolidou suas operações móveis espalhadas pelo país, criando a Claro e adquiriu a Net de TV a cabo e as empresas de dados Embratel e Vesper. Contudo, essa movimentação não foi suficiente. O setor deve se consolidar ainda mais. O jogo ainda não acabou.

Meu antigo chefe, antes de me contratar na Unibanco Corretora, buscou referências sobre mim junto a alguns analistas concorrentes. Um deles, ainda acreditando no potencial do setor com base no passado, disse: “Ele é muito pessimista com o setor”.

É verdade. Desde 2005, deixei de acreditar no setor de telecomunicações como um investimento de longo prazo. Meus relatórios tinham recomendações apenas pontuais: algumas arbitragens entre papéis, por exemplo, entre ações da holding e as da operadora ou posicionamentos com o objetivo de se beneficiar de reestruturações.

Essa visão, infelizmente, não se alterou com o tempo e a trouxe para o blog “O Estrategista” retratado em um artigo de janeiro de 2013,  intitulado “Esqueça o setor de Telecom como investimento de longo prazo”.

A Oi e a Tim continuam a me dar razão. A primeira está concordatária e a TIM patina vítima da convergência tecnológica e de um controlador, a Telecom Italia, com capacidade reduzida de investimentos e com instabilidade societária.

Caso queira estar exposto ao setor, a melhor opção é a Telefonica Brasil que conseguiu ter presença nacional com telefonia fixa, celular, dados e TV a cabo. A outra opção seria a Net e a Claro, mas suas ações não são negociadas na bolsa brasileira. Indiretamente, o investidor poderia comprar as ações da America Móvil, mas a operação brasileira é apenas uma parte da atuação da companhia na América Latina.

O resto serve apenas a investidores especulativos.

Termos de Uso

As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

 

8 Comentários

  1. Excelente reflexão André. O ponto que gostaria de aprofundar é: e o investimento em áreas que podem ser ocupadas para as instalações de equipamentos em telecomunicações, como antenas em terrenos no meio da cidade?

    Tenho um terreno e busco esse contrato.

    Podemos ainda considerar como um investimento?

  2. Não podemos esquecer que além de tudo isso, o controle Estatal e o custo que impõem para inovações tecnológicas no setor é muito alto.

    O Brasil é um dos únicos países praticamente proibidos de vender internet com franquia e as operadoras estão tão atoladas que não conseguem oferecer uma proposta decente de franquias.

    Resumindo, custo estatal caro e Operadoras forçadas a fornecer conexão ilimitada até para uma senhorinha solteira que usa internet apenas para se comunicar com filhos pelo whatsapp. O setor não tem futuro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.