Como o mercado avalia a CPI da Petrobras?

Apesar da instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso para avaliar irregularidades na Petrobras, as ações preferenciais da empresa (PETR4) apresentam valorização de cerca de 50% desde meados de março. Um observador desavisado consideraria esse comportamento contraditório, irracional. Mas por que os investidores, especialmente os institucionais, resolveram adquirir ações da empresa? Ou indo mais longe, o mercado tem avaliado corretamente as ações de estatais?

As empresas públicas ou sociedades de economia mista possuem outros objetivos além do lucro. Elas podem funcionar para atender objetivos estratégicos do Estado, tais como promover o desenvolvimento regional ou atuar como linha auxiliar no combate a inflação. Dessa forma, estariam atendendo a sua função social. Embora essa visão possua opositores, há acórdãos do Superior Tribunal de Justiça que corroboram essa ideia da atuação mais abrangente das estatais. Por essa razão, as ações dessas empresas, em regra, negociam com desconto para as das competidoras privadas.

No caso da Petrobras, é difícil fazer essa comparação, pois não existem petrolíferas nacionais do mesmo porte listadas na bolsa. Mas, no setor bancário, é possível fazer essa avaliação. Banco do Brasil (BBAS3) e Banrisul (BRSR3) negociam com grande desconto por múltiplos para os principais bancos privados, como Itaú Unibanco (ITUB4) e Bradesco (BBDC4). Em termos de P/L (preço por lucro), levando em conta o lucro esperado para 2014, Banco do Brasil negocia com desconto de 36% para Itaú e 37% para Bradesco. Já Banrisul está com desconto de 39,6% para Itaú e 40,8% para Bradesco. Alguns podem alegar precipitadamente: “mas os bancos públicos são mais ineficientes, apresentam menor rentabilidade, logo esse desconto é merecido”. Não é o caso.

PL Bancos

Com base no balanço de 2013, Banco do Brasil apresentou retorno sobre o patrimônio líquido de 24,8% e Banrisul, de 18,1%, enquanto Itaú, 20% e Bradesco, 17,4%.

Esse múltiplo mais depreciado se reflete em um retorno com dividendo mais polpudo para os acionistas. Banco do Brasil e Banrisul apresentam dividend yields projetados para 2014 de 5,9% e 6,45%, respectivamente, bem superiores aos de Itaú (3,41%) e Bradesco (3,39%). Embora reconheça que os bancos públicos mereçam negociar com desconto, esses dados parecem indicar que as ações dos bancos públicos têm negociado com deságio exagerado para os bancos privados.

Essa irracionalidade também aconteceu com as ações da Petrobras. Vítima da contenção de reajustes nos preços dos derivados de petróleo, a empresa vem apresentando déficits substanciais na divisão de abastecimento em decorrência da importação a preços mais elevados do que os domésticos. Assim, as ações preferenciais de Petrobras caíram acentuadamente desde a crise de 2008. Contudo, em meados de março, analistas de mercado indicavam um retorno com dividendos da Petrobras superior a 7% (hoje se encontra em 4,57%) mesmo com o resultado operacional claudicante. Esse foi um dos sinais de que as ações da companhia estavam baratas. Além disso, a divulgação de pesquisas demonstrando fragilidades à candidatura Dilma Rousseff em benefício da oposição, que, em tese, é mais amigável ao mercado, foi a senha para a entrada de recursos de estrangeiros na bolsa impulsionando as ações da petroleira.

Mas e a CPI? Ela não interfere negativamente nas ações? Nesse ponto, é preciso separar a percepção da magnitude do dano. Comenta-se que, entre aquisições e investimentos, a refinaria de Pasadena custou cerca de US$ 2 bilhões. Muito dinheiro para mim e para você leitor, mas uma perda pequena para uma empresa do porte da Petrobras, com valor de mercado (preço da ação multiplicado pela base acionária total) de cerca de US$ 100 bilhões. Além disso, esse evento não tem mais volta, é um custo irrecuperável (conhecido como “sunk cost”). E o mercado não chora sobre o leite derramado. Assim, a CPI, embora negativa, não teve forças para impedir a valorização das ações da petroleira. Em outras palavras, o vetor negativo não conseguiu suplantar os catalisadores positivos da ação: o fluxo financeiro e a rentabilidade com dividendos atrativa.

Temos de Uso

As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

2 Comentários

  1. André, mas o crédito dos bancos públicos é uma caixa preta. A atividade principal é empréstimos para políticos com poucas garantias.
    Mesmo com esses descontos, o risco de quebra do BB/Banrisul é muito maior do que Itub/Bradesco.

    No ITUB os donos estão muito preocupados com a qualidade da concessão do crédito. Se o banco quebrar eles perdem, ou skin-in-the-game como diz o Taleb.
    Isso pesa bastante nos múltiplos também.

    1. Hélio, não é assim que funciona. Trabalhei no BB na área de Crédito e depois de Recuperação de Créditos. O Banco tem as melhores metodologias de risco, limite de crédito. A sua inadimplência apurada pelas informações do BACEN é a menor do mercado. Não existe mais essa história de emprestar sem garantias. O Banrisul, tb, é um banco muito ajustado. O que atrapalha esses bancos, por incrivel que possa parecer, é a sua subordinação a lei das licitações. Isso tira do deles parte da competitividade e aumenta custos. Eles não podem comprar o que tem de melhor no mercado ou contratar as melhores empresas. As vezes um processo licitatório dura dois anos. As empresas que perdem entram na justiça.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.