análise de ações

Múltiplo P/L aponta desânimo com resultado das cias brasileiras

Existe um debate histórico entre os adeptos da análise fundamentalista relacionado ao cálculo dos múltiplos P/L (preço por lucro), FV/Ebitda e outros. Deve-se utilizar os resultados passados ou os projetados. O mítico investidor americano Benjamin Graham pregou o uso dos lucros passados ao longo de seu livro “Investidor Inteligente”. Outro americano, Philip Fisher, defendia o oposto em outro clássico “Ações comuns, lucros extraordinários”: os resultados futuros. Que tal tentar mesclar as duas visões? O que essa abordagem indica sobre o grau de confiança dos investidores em relação ao lucro das companhias brasileiras?

Continuar lendo

Apple é a maior em tecnologia, mas não a mais bem-avaliada

Facebook, Google, Amazon, Microsoft e Apple possuem como característica buscarem a vanguarda tecnológica. Esse grupo faz parte da economia pós-industrial: a do conhecimento.

Todas são listadas na bolsa americana Nasdaq, com exceção da Google que pode ser investida indiretamente por intermédio da sua controladora Alphabet. Todas são grandes, mas elas são bem-avaliadas pelos investidores?

Continuar lendo

A remuneração dos executivos e o preço da ação

O que afeta o preço das ações? A resposta é longa. Primeiro, posso mencionar os resultados da companhia. O preço da ação e o lucro operacional são estreitamente correlacionados. Segundo, por intermédio da formula de Gordon, sabemos que a política de dividendos também contribui para o desempenho da ação. Eu poderia indicar várias outros itens que impactam o preço da ação, mas a resposta seria incompleta sem mencionar a governança corporativa.

Mas como medi-la tendo em vista que a definição de governança corporativa reside em termos abstratos como transparência, “commitment”, “disclosure” e ética? É uma tarefa dura e, infelizmente, não existe um manual à disposição.

O alinhamento entre executivos e acionistas, por exemplo, é pedra basilar da governança corporativa. Mas o problema emerge de novo. Como se mede esse alinhamento? Uma opção é pesquisar a remuneração dos executivos. A meritocracia deve ser o principal instrumento de avaliação dos executivos. A remuneração deve seguir os resultados operacionais. Mas isso tem acontecido?

Continuar lendo

O caixa é da companhia ou do acionista?

O objetivo último do acionista é ter sua participação em uma empresa retribuída com o recebimento de parte dos resultados. A legislação societária trata dessa questão, obrigando a companhia a definir um percentual mínimo a ser distribuído aos acionistas. Mas, apesar de algumas regras, o pagamento aos acionistas acaba sendo um ato discricionário dos administradores.

São atribuídas a Neném Prancha, roupeiro e massagista do Botafogo, frases que marcaram o futebol brasileiro. A mais famosa é: “Pênalti é uma coisa tão importante que quem deveria bater é o presidente do clube”. A política de dividendos, também um ato decisivo, deve reter a atenção do Conselho. Ela pode tanto impulsionar como prejudicar o desempenho das ações.

Continuar lendo