Posts do autor Andre Rocha

Só com curto prazo não se chega longe

Warren Buffett, o cultuado investidor americano, e Jamie Dimon, CEO do JP Morgan Chase, escreveram recentemente um artigo no The Wall Street Journal criticando o foco das companhias no fornecimento de estimativas trimestrais o que poderia prejudicar a geração de valor no longo prazo para os acionistas.

Ao longo da carreira já havia percebido esse problema e o mencionado em artigo de 2011 no Valor Econômico.

Como os administradores podem causar danos às companhias ao valorizarem demasiadamente os resultados trimestrais? Quem mais pressiona às empresas em busca de estimativas trimestrais? É possível obter ganhos operando os resultados trimestrais? O que diz o Professor Damodaran?

Continuar lendo

A economia sem escassez dos candidatos

As ciências econômicas relacionam-se ao ramo de estudo que busca alocar de forma eficiente recursos escassos entre inúmeras alternativas com o fim de otimizar o bem-estar geral da sociedade. Por essa definição fica claro que o gestor público precisa priorizar o uso dos recursos tendo em vista que eles são limitados.

Contudo, os discursos de diversos candidatos e de parte da imprensa parecem não entender essa limitação matemática, além de não avaliarem os efeitos secundários das soluções mágicas.

Continuar lendo

Estratégia de Buffett desagradaria os brasileiros

No livro Essays of Warren Buffett – Lessons for Corporate America, Lawrence Cunnigham organizou as cartas anuais da Berkshire Hathaway, veículo de investimento de Buffett, por temas. As ideias do conhecido investidor americano sobre dividendos se encontram no capítulo Common Stocks. Como sempre suas ideias fogem do senso comum.

Continuar lendo

Investimento ou tormento? 

Uma política econômica correta deve propiciar a existência de um ambiente de negócios saudável, permitindo que os recursos dos poupadores cheguem àqueles que querem investir.

Intervenções do governo a fim de induzir artificialmente o investimento podem produzir resultados positivos no curto prazo como o aumento do emprego, mas não se sustentam no longo prazo.

Muitos acreditaram no crescimento vigoroso da economia como prometia o governo anterior. A lista é longa. Vai de agentes econômicos modestos como os caminhoneiros a empresas conhecidas como Duratex, Gerdau e Mills.

O incremento da demanda não se materializou, mas o custo do financiamento, mesmo que em muitos casos a taxas atraentes, continuou a impactar negativamente os resultados.

A crise se espalhou por vários setores. A decisão de investir se mostrou equivocada. Mas as empresas não podem voltar ao passado. O que elas têm feito para superar esse momento? 

Continuar lendo

A tributação sobre os dividendos e a ânsia de arrecadar

Os candidatos às eleições presidenciais de outubro têm colocado em debates e entrevistas suas opiniões sobre a crise fiscal brasileira. Ciro Gomes e Rodrigo Maia, por exemplo, defendem a tributação sobre os dividendos com o intuito de aumentar a arrecadação. Mas será que essa política não terá efeitos secundários como a redução dos investimentos? Será que uma economia com níveis de investimentos tão baixos pode se dar ao luxo de abrir mão do investimento das companhias privadas?

Continuar lendo