As dificuldades de comunicação com o mercado – Parte II

Cumprindo a promessa do último artigo, volto a abordar o tema da relação das empresas com os investidores. Uma boa comunicação com os agentes de mercado (analistas, gestores e investidores pessoa física) é fundamental para que o preço das ações da companhia incorpore da melhor forma possível suas atividades operacionais e financeiras presentes e futuras e, com isso, se aproxime do preço justo da ação.

Há três semanas, falei, citando casos que vivenciei profissionalmente, sobre três temas: a recompra de ações, empresas alvo de aquisições e a visão de curto prazo das empresas. Hoje, discorrerei sobre as estimativas oficiais fornecidas pelas próprias companhias sobre dados operacionais, também conhecidas pelo termo em inglês “guidances” e o período de silêncio (“quite period”, em inglês).

Estimativas oficiais (“guidances”)

É comum que as empresas forneçam espontaneamente estimativas próprias para alguns dados como receita e Ebitda (medida simplificada de fluxo de caixa). Geralmente, a empresa não fornece um número específico, mas um intervalo de valores (“range”, em inglês) no qual deve se situar, por exemplo, a receita no ano. Assim existe uma estimativa mínima, média e máxima. A empresa deve estar muito confortável sobre os números apresentados, pois o mercado acredita que ninguém possa conhecer melhor as perspectivas da empresa do que a própria empresa. Assim, um resultado efetivo inferior ao valor fornecido mínimo pode causar um efeito devastador sobre o preço da ação. A administração deve estar confiante de que possa alcançar com tranquilidade o ponto médio, pois esse deve ser o valor utilizado pela maior parte dos analistas. Uma empresa que eu analisava, logo após a abertura de capital, forneceu um “guidance” de crescimento de receita muito ambicioso. Questionei o responsável pelo departamento de relação com investidores (RI) se a informação prestada ao público não era irreal que retrucou imediatamente: “se eu não acreditar na minha empresa, quem acreditará?”. O tempo passou e, como sempre, a realidade cobra a conta dos fanfarrões. Apesar de a empresa ter apresentado um crescimento anual do faturamento de cerca de 20%, as ações despencaram após a divulgação dos resultados, pois o crescimento estava aquém do sinalizado pela empresa. O outrora arrogante profissional me ligou resmungando: “o mercado é muito exigente”. Contudo, a culpa foi do próprio administrador que alimentou mal as expectativas do mercado.

Caso clássico de estimativas não condizentes com a realidade foi o da petrolífera OGX.

Outro cuidado que deve ser tomado é o de que a informação sobre o “guidance” seja fornecido ao mesmo tempo para todo o mercado. O documento pode ser o “press release” de resultados ou um “comunicado ao mercado”. A divulgação de estimativas oficiais em entrevistas ou em reuniões patrocinadas por corretoras, cuja audiência é restrita a poucos clientes, tem de ser evitada, pois estaria se privilegiando uma pequena parcela do mercado.

Foi o que em tese aconteceu com as ações do Banco do Brasil, segundo reportagem do Valor “Ações do BB caem após suposto guidance”, de 3 de fevereiro de 2014. Segundo a matéria, o analista de um banco teria obtido em conversa com o BB um “guidance” ainda não oficial de crescimento da carteira de crédito para o ano. Esse número, que decepcionou o mercado, fez as ações recuarem 4,4% após a divulgação do relatório do analista. O Banco do Brasil negou a existência de vazamento.

Período de silêncio (“quiet period”, em inglês)

É comum os departamentos de RI, antes da divulgação dos resultados, evitarem os agentes de mercado alegando estarem em período de silêncio. O Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado (Codim) emitiu, em 2009, um pronunciamento de orientação padronizando os procedimentos a serem adotados pelas companhias em períodos anteriores à divulgação dos resultados. O documento diz que as companhias não devem fornecer informações privilegiadas sobre seus resultados ao público externo durante o preparo das demonstrações contábeis. Mas o mesmo pronunciamento permite que “outras informações rotineiras devem continuar a ser transmitidas para não prejudicar o acompanhamento de suas atividades pelo público estratégico”. Contudo, apesar da orientação clara do Codim, a maioria das empresas esquiva-se de informar qualquer coisa ao mercado, escondendo-se atrás do período de silêncio. Como há quatro divulgações trimestrais no ano e o período de silêncio é de 15 a 20 dias, um RI padrão das companhias nacionais não atende o mercado durante 80 dias. Em outras palavras, em 30% dos dias úteis do ano, a empresa não interage com um dos seus principais pilares: seus atuais ou potenciais acionistas. Não à toa, o mercado reclama da interação com as empresas.

Curso “Sua cia se comunica bem com analistas e gestores?”

O objetivo do curso é mostrar aos participantes como os profissionais do “buy side” e os do “sell side” avaliam as companhias listadas em bolsa de forma a aprimorar a comunicação entre sua empresa e o mercado. O efeito prático será sentido no preço da ação.

Valor: a partir de R$ 5 mil.

Público alvo: controladores e profissionais de relações com investidores

Mais informações: envie e-mail para contato@estrategista.net

Termos de Uso

As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

2 Comentários

  1. “Um aspecto que se esconde por trás de muitas companhias que se calam antes de divulgar resultados é a comodidade. “Tem empresa que usa o período de silêncio para compensar deficiências de recursos, e acaba aproveitando esse tempo antes da divulgação para ler documentos e preparar releases. O que ocorre, na prática, é o fechamento do departamento de RI para balanço”, dispara Valter Faria, diretor da consultoria em RI The Global Consulting.”

  2. Ótimo artigo! O conhecimento é fundamental, sempre.

    Lembro uma vez quando a Intel reportou o resultado trimestral, lucro de alguns bilhões, e suas ações caíram. No momento fiquei indignado, como podia ações da Intel cair com ela tendo lucro tão alto! O máximo q consegui imaginar no momento foi q, por ser uma empresa muito grande, os dividendos desse lucro seriam ainda pequenos quando divididos por ação, e por isso muitos acionistas ficaram insatisfeitos. Mas mesmo assim, como poderiam exigir q a empresa desse ainda mais lucro?

    Pra minha sorte, essa notícia foi dada pelo saudoso Paulo Couto, e logo em seguida ele explicou ser exatamente por esse resultado ter ficado abaixo do estimado pela Intel no guidance anterior. Ou seja, ela criou certa expectativa nos acionistas, e não conseguiu cumprir a expectativa criada.

    De fato, um efeito desse é benéfico, pois ele é um ajuste dos valores. A expectativa estava acima da realidade e com isso as ações estavam valorizadas. Quando a realidade foi atualizada e a expectativa revista, alguns acionistas venderam suas ações e o valor diminuiu, se readequando naturalmente a tal realidade. Se isso não acontecesse, teríamos uma tendência a bolha, q poderia explodir no futuro gerando um impacto muito maior.

    Um avaliação interessante a ser feita é a comparação da estimativa apresentada no guidance com a meta da empresa. Essa expectativa seria a “meta externa”, q a empresa se compromente frente aos acionistas a bater. E a empresa tem sua meta “interna”, q vai sendo dividida entre os departamentos e pontos de venda. A definição das metas interna e externa devem estar casadas e bem fundamentadas, metas internas mal feitas que não são batidas irão afetar a meta externa, caso a estratégia da empresa defina metas inalcançáveis e as use como base pra definir a expectativa do guidance.

    Gostaria de ver um artigo seu explicando sob ponto de vista de especialista como esses valores devem ser definidos e como combiná-los.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.