Análise de ações: os desafios e como superá-los

O trabalho dos analistas é bastante questionado pelos investidores em geral – pessoas físicas e institucionais. Por que isto ocorre?

O investidor em ações no Brasil ainda é um marginal. Obviamente ele não é um fora da lei. O termo vem de “exceção”. As corretoras acreditam haver em torno de 140 mil investidores ativos na bolsa brasiliera, número irrisório quando comparado a 25 milhões de pessoas que entregaram imposto de renda em 2013. A maioria não está acostumada com as técnicas e o linguajar utilizados pela análise fundamentalista. A falta de educação em investimentos é responsável pelo baixo desenvolvimento do nosso mercado e por parte das críticas. É um problema circular. Não invisto e critico porque não conheço; como não conheço não invisto e critico. Cabe aos participantes do mercado resolver esta intricada questão.

Mas a contestação às análises feitas pelos profissionais de mercado não deriva apenas da má educação financeira. Ela vem também dos investidores institucionais (“buy side”) – fundos de pensão, gestoras, “family offices” – que, em tese, estão afeitos ao linguajar e as práticas do mercado.

Confira texto na íntegra no site do Valor Econômico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.