Últimas publicações

Vale: o risco do investimento da Previ

A Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, participou ativamente das privatizações da década de 90. A mineradora Vale passou à iniciativa privada em 1997 com a vitória do consórcio Brasil composto por CSN, Previ, Petros, Funcef e outros investidores. A participação dos fundos de pensão nas privatizações da época foi incentivada pelo governo federal de forma a gerar concorrência entre os interessados.

A expressiva valorização das ações da Vale desde então e o impedimento de vender suas ações fez com que a Previ concentrasse 25% do seu patrimônio em ações da empresa. Essa posição fere o princípio da diversificação impedindo uma melhor composição entre risco e retorno. Há alternativas para redução da exposição a Vale mesmo sem se desfazer das ações.

Continuar lendo

Judiciário “rouba” valor das cias brasileiras

As empresas nacionais listadas em Bolsa merecem negociar com desconto em relação a empresas similares de países desenvolvidos devido ao nosso maior risco país. Além das incertezas macroeconômicas, estudo mostra que o montante das contingências derivadas de brigas judiciais e administrativas nas empresas locais é superior à observada no mundo, gerando mais uma fonte de risco.

Continuar lendo

O mercado de capitais nacional sob alerta

Após anos de forte recessão, o mercado de capitais brasileiro ensaia uma recuperação cíclica. Contudo, algumas tendências podem mitigar essa melhora. Várias companhias brasileiras mostram desinteresse pela bolsa brasileira, preferindo listar suas empresas nos EUA. Além disso, operações societárias polêmicas têm colocado a governança corporativa das empresas brasileiras em jogo.

Continuar lendo

A ditadura das incorporações de ações

O mercado de capitais nacional definhou prejudicado pela caótica situação econômica deixada pelo governo anterior. Além da situação macroeconômica delicada, eventos societários polêmicos vêm afetando negativamente a governança corporativa de nosso mercado.

No início do mês, os investidores foram surpreendidos com o contrato de não competição firmado entre a Qualicorp, operadora de saúde, e seu presidente. Semana passada, o fim da parceria da empresa aérea Gol com sua empresa de fidelidade Smiles fez sua cotação cair quase 40% em apenas um dia. O que podemos aprender com a operação da Smiles?

Continuar lendo