Os maiores “dividend yield” de 2013

Entra ano e sai ano e as ações das concessionárias públicas sempre aparecem bem posicionadas no ranking dos maiores retornos com dividendos. A novidade é que, entre as maiores rentabilidades, apareceram setores sem tradição nesse quesito.

A escolha de uma ação não pode se basear apenas no retorno com dividendos. Ele é apenas uma das métricas a serem levadas em conta. O crescimento do lucro futuro, boa governança corporativa e múltiplos atrativos também devem ser considerados na seleção dos papéis para compor uma carteira.

Apenas o retorno com dividendos (“dividend yield”, em inglês) não garante um bom desempenho do papel. E o investidor nunca deve se esquecer de que o retorno total de um ação é composto pelo “dividend yield”, mas também pelo ganho ou perda de capital (o preço da venda menos o preço da compra). Muitas vezes, a perda de capital corrói completamente o ganho obtido com os dividendos.

Feita essa ressalva, calculei o “dividend yield” esperado para 2013 das ações que compõe o IBrX com base nas estimativas de consenso do mercado coletadas pelo sistema de análise fundamentalista S&P Capital IQ.

Aqui cabe uma segunda ressalva. Há dois conceitos para o cálculo do “dividend yield”: caixa e competência. A maior parte dos dividendos é paga após a Assembleia Geral Ordinária (AGO) que ocorre em até quatro meses após o encerramento do ano quando os acionistas aprovam a distribuição de dividendos sugerida pelo Conselho de Administração. Dessa forma, por exemplo, os dividendos pagos em 2013 são relativos ao resultado gerado em 2012. Pelo conceito caixa, o “dividend yield” de 2013 é referente ao resultado do ano anterior. Há também algumas empresas que pagam dividendos intermediários ao longo do ano, uma forma de antecipação da distribuição dos proventos relativa ao ano em curso. Nesse caso, os dividendos pagos em 2013 seriam baseados no lucro de 2012 e de 2013.

Para evitar essa confusão, utilizei o conceito competência, ou seja, os dividendos que serão distribuídos com base no lucro de 2013. Com isso, boa parte desses dividendos somente será distribuído em 2014, após a AGO (a empresa tem 60 dias a contar da assembleia para fazer o pagamento).

Pois bem, após tanta explicação, dos 11 maiores retornos com dividendos, sete se referem a companhias do setor elétrico e duas do setor de telecomunicações: Oi (OIBR4) e Telefonica Brasil (VIVIT4). Os controladores dessas duas empresas – Telemar Participações e Telefonica – apresentam restrições de caixa o que incentiva o pagamento de dividendos generosos. Esse é um bom exemplo de que olhar apenas os dividendos é enganoso. As necessidades do controlador, em algumas situações, podem se opor às das empresas. Os recursos distribuídos aos acionistas podem fazer falta, comprometendo os investimentos ou aumentando o nível do endividamento. A Oi vive esse dilema.

Entre as concessionárias surgem duas intrusas: Multiplus, a companhia de programas de fidelidade alta geradora de caixa e a incorporadora EZTEC (EZTC3). É interessante que uma incorporadora faça parte da lista, tendo em vista que o setor de atuação é intensivo em capital. Mas há uma razão. Boa parte dos projetos lançado no boom imobiliário – entre 2006 e 2009 – começou a ser entregue aos clientes. Assim, em regra, as incorporadoras repassam seus clientes aos bancos em troca de recursos. Com a desaceleração do mercado imobiliário, esse caixa deixa de ser destinado a novos projetos e pode ser distribuído aos sócios. Assim, não será novidade que incorporadoras menos alavancadas e que não tiveram problemas de estouro de orçamento (que reduz o lucro) passem a figurar entre as maiores pagadoras de dividendos nos próximos anos.

dividend yeld 2013

Termos de Uso

As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

19 Comentários

  1. Oi andre!

    Excelente texto!

    Deixo como sugestão uma coisa: aumente o tamanho das letras do blog e coloque uma fonte mais “friendly”.

    Como elas estão muito pequenas, a leitura não fica tão “friendly”.

  2. O FII BB PROGRSSIVO II, está pagando, hoje, R$ 0,752763 (por cota de R$100,00), cotado, na média, ao valor de R$ 110,50. Em se tratando de um fundo, negociado em Bolsa, mas com características de renda fixa (aluguel de agências do Banco do Brasil para o próprio banco) não pode ser considerado como um “dividend yield” atrativo?

    1. Sim, Luis é atrativo, mas quando comparado a títulos de renda fixa como CDB e NTN-B, por exemplo, porque as cotas dos fundos imobiliários não tendem a ter ganhos de capital expressivos como acontece com ações. A não ser que haja uma queda muito acentuada dos juros, mas não é o cenário atual tendo em vista à inflação renitente.

      Mas feito essa ressalva, é um excelente investimento quando compara-se risco-retorno.

      Abraço

      André Rocha

  3. Na sua projeção para os dividendos de ELET6 2013 vc considera que não será pago o mesmo valor pago este ano (6% sobre o capital social, de acordo com o estatuto) ? Está considerando diluição por aumento de capital?
    Não consegui chegar aos 8%.
    Obrigado

    1. Caro Manuel

      Sua pergunta é ótima e pertinente.

      A estimativa do dividendo por ação não é minha, mas é o consenso dos analistas recolhido pelo S&P Capital IQ.

      Mas há dois riscos no horizonte para o pagamento do dividendo fixo da PNB: (i) aumento de capital, pois a queda da receita com as renovações das concessões pode levar a companhia a captar dinheiro no mercado. Como a emissão ocorreria abaixo do valor patrimonial por ação, haveria diluição e (ii) prejuízos que levariam a redução das reservas, gerando insuficiência de recursos para o pagamento do dividendo fixo.

      Acredito que os analistas estão contemplando tal cenário, pois o dividendo por ação caiu de R$ 1,36 para 0,82 na projeção dos analistas entre um ano e outro.

      Mas mesmo que esse problema não ocorra para os dividendos de 2013 (a serem pagos em 2014), não deve ser descartado pelos investidores em um horizonte de mais longo prazo.

      Abraço

      André Rocha

        1. Caro Luiz

          As ações preferencias PNA e PNB têm direito a dividendo minimo de 8% e 6% sobre o capital social, respectivamente. O montante de dividendo obrigatório é distribuído prioritariamente às PNs e somente a diferença vai para as ordinárias.

          Veja o post a seguir (http://www.estrategista.net/a-vantagem-das-pns-o-dividendo-fixo-e-minimo/), pois ele explica didaticamente como funciona a distribuição de dividendos mínimos. Situação similar aconteceu com Petrobras em 2012.

          Abraço

          André Rocha

    1. Oi Felipe

      Não entendi a pergunta. Na subscrição, são emitidas novas ações que farão jus aos dividendos distribuídos. Em um primeiro momento, é provável que a base acionária cresça mais rápido do que os dividendos. Logo, o dividendo por ação será menor, haverá uma diluição dos acionsitas atuais.

      Contudo, caso os recursos sejam bem utilizados, o lucro tende a crescer no médio prazo em ritmo superior ao que foi o da base acionária. Trazendo ganhos a todos os acionistas.

      Abraço

      André Rocha

  4. Boa noite, André!
    Tenho uma pergunta que acredito ser básica, mas ainda não consegui encontrar um artigo ou comentário que me ajudasse. O direito do acionista de receber dividendos independe do mês em que compra as ações, sendo definido pela quantidade de ações que ele possui ao final do exercício financeiro? Ou existe algum outro mecanismo para cálculo?
    Desde já obrigado!
    Parabéns pelo blog!

    1. Oi Marcello
      Você receberá a participação que lhe cabe no lucro. Por exemplo, se a empresa distribuir R$ 100 em dividendos e você possui 10% da empresa, receberá R$ 10. Outra forma de calcular é multiplicar o dividendo por ação informado pelo número de ações que você possui.
      Ao comprar a ação hoje, você terá direito aos futuros dividendos anunciados.
      Abraço
      André Rocha

    1. Arlindo,

      A empresa não vem apresentando lucro após a alteração regulatória em 2012. Os dividendos vinham sendo pagos com retiradas das reservas de lucro. Contudo, essas estão próximas de extinguir.

      Com isso, existe uma impossibilidade legal de pagar dividendos, pois não há lucros no exercício e reservas. Caso haja o pagamento, os valores serão bem menores do que o dos últimos anos.

      Abraço

      André Rocha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.