Este espaço é destinado a amenidades: cultura e esportes.

A camisa amarela amarela?

Após a vexaminosa derrota para a Alemanha nas semifinais da Copa do Mundo, especialistas buscaram explicações para a derrota. O desequilíbrio emocional dos jogadores tem sido considerado uma das principais causas para o fracasso. A pressão de jogar um torneio tão importante no Brasil afetou os jogadores o que refletiu-se na expressão chorosa dos jogadores durante a execução do hino e a pane de 6 minutos durante o jogo contra os alemães quando ocorreram 4 gols. A confiança (ou arrogância?) do treinador Luis Felipe Scolari não foi absorvida pelos jogadores. A ideia de que a vitória no futebol serve de alívio para as agruras da população brasileira é um fardo para os atletas. Não é somente no futebol que as condições psicológicas explicam derrotas dos esportistas brasileiros. Atletas olímpicos favoritos já tremeram em momentos decisivos. Se lembram das quedas de Daiane dos Santos e Diego Hipólito na ginástica olímpica, da perda da medalha de ouro pelo iatista multicampeão Robert Scheidt e do refugo do cavalo do Rodrigo Pessoa? Pode se alegar que faltam condições de treinamento para os atletas olímpicos. Mas a desculpa não vale para a seleção de futebol que possui um centro de treinamento de última geração em Teresópolis. Mas nenhum acidente possui apenas uma razão. Quais foram as outras falhas?

Continuar lendo

“Meus filhos são tudo para mim”

Na quadragésima quinta festa infantil do ano, um pai bradou com orgulho: “Meus filhos são tudo para mim”.  A roda de amigos concordou efusivamente balançando as cabeças. Um deles, lambendo os dedos sujos de coxinha, disse: “sem dúvida”. Apenas eu e um colega ao lado, mais preocupado em repor sua tulipa de chopp (o buffett não tinha ara condicionado), não permitimos a unanimidade.

Continuar lendo

O soberano

Quem é o todo poderoso em uma grande cidade? O prefeito, o prefeito responderia de imediato a maioria. O chefe do tráfico, o Zé Pequeno da ocasião, diriam os pessimistas. Já os esportistas chutariam ser o craque de um grande time. Todos errados. O manda chuva atual é o pedestre.
O pedestre, pergunta surpreso o leitor. Sim, o pedestre, aquele que anda ou está a pé segundo o dicionário. Um amigo acha ser o ciclista. Mas não. Foi falta de desatenção de meu colega. O ciclista não é outro personagem. É o mesmo. É apenas um pedestre travestido, fantasiado com uma bicicleta. É como Carlitos e Chaplin, a mesma pessoa.

Continuar lendo

Em busca do chuchu refogado

Saltou sobre imensas poças após o banho. Saiu ilesa do banheiro, mas ao levar a toalha à área deparou com um cenário desolador: louça por lavar, lixo por esvaziar, cama por arrumar. A casa e ela eram um só. Necessitava sair dali, não podia ligar, se rebaixar. Pegou Totó no colo, mas demorou a encontrar a chave do carro. Estava entre os jornais espalhados no chão da sala, junto ao abajur. Abriu a porta, o elevador já esperava. Desceu. Uma senhora gorda entrou no primeiro andar. Bom dia! Respondeu levantando a bochecha, longe de ser um sorriso.

Continuar lendo