Ações com múltiplos altos estão sempre caras?

Existem diversas formas de avaliar se uma ação está barata ou cara. Uma das mais difundidas é a análise por múltiplos. Por essa métrica, compara-se o valor de mercado da companhia com algum dado contábil como, por exemplo, a receita, o patrimônio líquido, o Ebitda (a geração de caixa obtida de uma forma simplificada) ou o fluxo de caixa livre. Um leitor me fez uma pergunta relacionada ao múltiplo P/VPA (valor patrimonial por ação) e o retorno sobre o patrimônio líquido. Sua dúvida pode ser a de outros.

O múltiplo P/VPA é um múltiplo do acionista. Compara o preço da ação com o patrimônio líquido da companhia dividido pelo total de ações. O patrimônio líquido é a parcela do capital detido pelos sócios. Por isso, o indicador P/VPA é tido com um múltiplo do sócio. Em regra, quanto maior esse indicador, mais cara se encontra a ação. Contudo, essa análise não pode ser isolada. O acionista, ao investir em uma companhia, espera obter retornos não somente com a apreciação do preço da ação, mas também com o recebimento de dividendos. Assim, quanto maior for o lucro, maior deverão ser os dividendos distribuídos. Por consequência, quanto maior o lucro, maior será o retorno sobre o patrimônio líquido (lucro dividido pelo patrimônio líquido). Dessa forma, pode se inferir que quanto maior o retorno, maior deve ser a procura pelas ações, impulsionando o preço da ação e o múltiplo. Uma empresa que tenha um retorno de 3% e negocia a 1 vez P/VPA não necessariamente é mais barata do que uma que tem uma rentabilidade de 20% e negocia a 2 vezes múltiplo.

Outro fator que influencia o múltiplo é o crescimento esperado do lucro. O múltiplo é uma medida estática, pois considera apenas um determinado ano. Caso haja a expectativa de crescimento forte do lucro nos anos seguintes, a procura por essas ações subirá, elevando o preço das ações e os múltiplos. Essa relação entre crescimento e múltiplo fica mais clara se olharmos o modelo de Gordon:

P = D1 / (k – g) onde,

P = preço da ação hoje

D1 = dividendo do ano seguinte

k = taxa de desconto

g = crescimento do lucro por ação

Quanto maior o crescimento (g), maior será o preço da ação hoje (P) e maior o múltiplo P/VPA, por consequência. O investidor aceita pagar um múltiplo mais alto hoje, pois espera que o crescimento futuro dos lucros reduza o indicador no médio prazo. Contudo, o P/VPA não é um bom indicador para todos os setores. Os ativos das companhias podem estar contabilizados a custo, não refletindo seu valor justo. Pense em uma fábrica, por exemplo. Dessa forma, esse múltiplo é mais relevante para o setor bancário e de serviços financeiros, pois boa parte dos seus ativos e passivos possui valor de mercado, ou seja, é atualizado constantemente. Nesse setor, o retorno possui boa capacidade para predizer o múltiplo P/VPA a ser negociado da companhia. Caso se faça uma regressão simples entre o

retorno de um grupo de empresas vis-à-vis os respectivos múltiplos, o índice de correlação encontrado tende a ser significativo.

O leitor no fim perguntou: “você acha que o retorno sobre o patrimônio líquido (ROE, em inglês) e o múltiplo P/VPA são indicadores apropriados para se selecionar boas ações?”

Como vimos até aqui, empresas que apresentem retornos altos de forma consistente tendem a ter o preço de suas ações mais apreciado. Contudo, a escolha de uma carteira de ações não pode tomar por base apenas uma medida. Análises quantitativas – entre as quais se incluem os múltiplos – e subjetivas devem ser realizadas. Mais importante do que observar a situação da empresa hoje é perceber se existe alguma ameaça ou fraqueza que pode prejudicar a posição da companhia. Ela deve estar preparada para o futuro, pois, do contrário, a rentabilidade atual se esmaecerá, afugentando os investidores o que levará os múltiplos a patamares mais baixos.

Termos de Uso

As análises, opiniões, premissas, estimativas e projeções feitas neste blog são baseadas em julgamento do analista responsável e estão, portanto, sujeitas à modificação sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista de investimento responsável por este blog declara que as opiniões contidas neste espaço refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia analisada ou fundos e foram realizadas de forma independente e autônoma. As opiniões contidas neste espaço podem não ser aplicáveis para todos os leitores devido aos diferentes objetivos de investimento e situação financeira específica. O autor não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizados por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Toda e qualquer decisão de investimento baseada nas opiniões aqui expostas é de exclusiva responsabilidade do investidor.

1 Comentário

  1. Muito bom. “Mais importante do que observar a situação da empresa hoje é perceber se existe alguma ameaça ou fraqueza que pode prejudicar a posição da companhia. Ela deve estar preparada para o futuro, pois, do contrário, a rentabilidade atual se esmaecerá, afugentando os investidores o que levará os múltiplos a patamares mais baixos.” . Explica bem o que ocorre com Eternit, Cielo, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.