Yearly Archives: 2016

Recuperação econômica se perde na coleção de crises

A implantação da república, segundo diversos autores, foi orquestrada pelas elites econômica e militar, sem qualquer adesão popular. A derrubada da monarquia fez Aristides Lobo, republicano que viria a ser futuro ministro do governo provisório, cunhar a frase que entrou para a história: “o povo assistiu bestializado à proclamação da República”.

Tal como nossos conterrâneos em 1889, a população e as companhias estão atônitas frente as crises ética, institucional e fiscal que se desenvolve no interior do Estado. Embora a situação seja preocupante, o governo tenta passar otimismo com uma pauta voltada para a resolução do problema fiscal com a limitação dos gastos do governo nos próximos anos e a reforma da previdência. Apesar desse esforço, por que a recuperação das empresas não deve acontecer no médio prazo?

Continuar lendo

Será o fim das companhias defensivas?

Em momentos turbulentos, os consultores indicam ações de companhias defensivas para compor a carteira de seus clientes. A maioria dos gestores também prefere adotar essa estratégia quando as incertezas se avolumam. Mas o que são ações defensivas? Esse conceito permanece válido em uma economia dinâmica como a atual?

Continuar lendo

Petrobras: suas ações continuarão subindo?

Um dos melhores investimentos nos últimos 12meses foi investir nas ações da Petrobras. Os papéis sem direto a voto tiveram apreciação de 115,5% no período. O presidente escolhido, Pedro Parente, com carreira bem-sucedida no setor privado trouxe de volta um discurso comprometido com a razoabilidade econômica. Nada muito sofisticado: apenas relembrou que despesas e investimentos têm que caber no orçamento. Essa máxima havia sido ignorada pelo governo anterior guiado por um voluntarismo pueril e por objetivos menos nobres.  A alteração da postura da administração foi fundamental para a sobrevivência da companhia que caminhava para um cenário de inviabilidade econômica. O desempenho da ação demonstra que os investidores reconheceram essa mudança. Mas o realizado até agora é suficiente para uma valorização sustentada das ações? As ações ficaram caras após o “rally”?

Continuar lendo

Bancos brasileiros: por que suas ações são depreciadas?

As ações dos dois maiores bancos privados – Itaú Unibanco e Bradesco – negociam com desconto para os demais bancos latino-americanos apesar de apresentarem excelente rentabilidade. O blog já buscou explicações para essa distorção em artigo anterior. Recentemente, participei da 18ª Conferência Anual da empresa de avaliação de risco Moody’s. A apresentação feita na ocasião sobre os bancos locais pode trazer uma luz sobre o tema.

Continuar lendo